PUBLICIDADE
Séries e TV

3 sagas que podem substituir Game of Thrones

29 de agosto de 2017, POR

O Super Nerd » Séries e TV » 3 sagas que podem substituir Game of Thrones

PUBLICIDADE

Uma das sagas mais aclamada de todos os tempos, tanto pelo público quanto pela crítica, está chegando ao seu fim. Alguns ficam tristes com a notícia, enquanto outros acreditam que estava demorando. O que importa é que ela fez história e com a sua ausência é aberto um espaço para uma nova série tomar o coração de todos nós novamente. Mesmo a HBO tendo planejado alguns spin-offs para Game of Thrones, o lugar continua aberto para uma nova série de fantasia que seja tão grande quanto, talvez maior. Por esse motivo, apresento a vocês uma lista de sagas que poderiam substituir Game of Thrones, contando é claro, que se tornem séries muito bem feitas.

Game of Thrones talvez seja uma das séries, dos últimos tempos, que mais movimentou os fãs. O hype pela série sempre foi extraordinário e não poderia ser diferente. Lembrando que o que faz da série tão boa e de tanto sucesso foi a escolha dos produtores e roteiristas de que tom a série teria. Sendo ele: mais real, mais tátil, mais intrigante e mais político. Mas, talvez, é bem provável que a série não seria nada disso se eles não tivessem a disposição toda a mitologia já construída para trabalhar em cima. Então, o que buscamos em uma provável substituta é a capacidade de ser mitológica, densa e completa o bastante para apresentar aos produtores possibilidades de trabalhar a liberdade criativa alinhada a visão que eles tem sobre a saga, afim de torná-la atrativa como um grande show.

#1 Ciclo da Herança

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Saga, O Ciclo da Herança

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Capas dos quatro livros da saga Ciclo da Herança, escrito por Christopher Paolini.

Eragon, também nome do primeiro livro da saga, conta a história de um garoto que encontra uma pedra azul em uma de suas caçadas. Ao descobrir que essa pedra, na verdade, é um ovo de dragão, se vê jogado no meio da disputa de poder do império onde ele é chave principal. Seu ovo de dragão rompe e Eragon dá a ela o nome de Saphira. Pela segurança de Saphira, tal como sua própria, ele se vê forçado a se tornar um herói e lutar pela vida de ambos e, futuramente, a esperança de todos no reino. Com isso ele é jogado em um mundo perigoso, no qual não tinha ciência de ser o mesmo que havia vivido por anos, envolvendo poder, destino, profecias, magia, elfos e outras raças, além de é claro, Cavaleiros e seus dragões. Junto da ajuda de um velho contador de histórias, Eragon começa a sua jornada no primeiro livro sendo aquele que pode salvar ou acabar de destruir todo mundo em que habita.

O Ciclo da Herança é composto por quatro livros acompanhando a jornada de Eragon se tornando um Cavaleiro de Dragão e lutando para ter seu reino livre das garras do malvado rei atual e, no fim, enfrentar o próprio rei e seu dragão. Esta saga seria uma perfeita substituição a Game of Thrones por alguns motivos, sendo eles: de cara ela pega o “hype” que GoT deixou com os dragões; ainda é um universo de densidade mitológica grande, com diversas raças incluindo elfos, humanos e anões; já possui o mapa pronto de seu reino onde temos culturas diferentes em cada parte desse reinado; além de uma grande disputa envolvendo poderes antigos, magia, um grande reino, rebeldes e cavaleiros e seus exércitos.

Outro ponto que podemos levar em consideração para defesa da saga é que, a partir do segundo livro, Eragon começa a fazer parte efetiva da resistência, vendo e atuando nas estratégias de guerra. Trazendo assim mais oportunidades para a série explorar os pontos políticos e de guerrilha, assim como acontece em Game Of Thrones. Em relação a sua cultura e mitologia, todos os livros possuem um dicionário próprio das línguas de cada um de seus povos e contam com um incrível desenvolvimento de personagens e profecias. Mas, um dos grandes diferenciais que mostra justamente o maior potencial de exploração comparado ao que GoT teve é: os dragões não são simplesmente animais leais como os que vemos em Game of Thrones.

No Ciclo de Herança os dragões são uma raça que possui uma consciência, uma cultura, segredos, um passado e uma história preservadas pelos próprios dragões e passada para frente a cada geração de mestre e aprendiz. Cada dragão é ligado ao seu Cavaleiro através da mente, coração e alma, podendo até se tornar um só em batalhas mentais contra bruxos. Pelo fato dos dois estarem interligados e cada um com sua consciência, Eragon e Saphira, sua dragã, ganham potencial como dois protagonistas fortes.

Durante toda a saga podemos ver incríveis cenas de batalhas envolvendo exércitos gigantescos, lutas brutais de dragões e seus respectivos cavaleiros. Localizações épicas e lindas como a grande Cidade dos Anões nas montanhas, a Cidade dos Elfos na floresta, entre outras. A saga de livros do Eragon é a mistura de Game of Thrones e Senhor dos Anéis, porém muito mais mastigável e um pouco mais simples – o que, de forma alguma, a torna pior ou menor. Por todos esses motivos e, principalmente, pela profundidade de toda a mitologia, Ciclo da Herança conseguiria sustentar muito bem uma série de pelo menos quatro temporadas – sendo uma para cada livro. Se você ficou interessado – e recomendo bastante a leitura – conheça os livros da saga:

Edição completa para Kindle.

Eragon, Livro 1.

Eldest, Livro 2.

Brisingr, Livro 3.

Herança, Livro 4.

#2 The Witcher

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

The Witcher: Wild Hunt III

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Poster do jogo The Witcher Wild Hunt III, mostrando Cirila e o bruxo Geralt de Rivia.

The Witcher é uma saga de livros polonesa que se tornou uma saga de jogos, ambos de gigantescos sucessos, do autor Andrzej Sapkowski. Uma saga de fantasia que possui uma mitologia própria. Um mundo onde todas as criaturas imagináveis existem em referências a todos os mitos antigos existentes, principalmente aos mitos eslavos. Possui magia, reinos, cavaleiros, exércitos, espionagem, intrigas, maldições, tal como muita morte e brutalidade.

No primeiro livro da saga – O Último Desejo – acompanhamos Geralt de Rivia, que foi treinado desde pequeno para ser um caçador e assassino de monstros. Seu único objetivo é acabar com toda a maldade que acompanha estas criaturas. O livro é composto por vários contos curtos que a compõem as aventuras de Geralt enquanto ele percorre seu mundo atrás de contratos de bruxos, que oferecem recompensas para eliminação de monstros e maldições. O livro se inspira nos contos de fadas poloneses e recriam fantasias brutais de cavaleiros tradicionais europeias. A partir do terceiro livro, com os personagens principais já introduzidos nos dois anteriores, o estilo contos curtos é abandonado e quem assume é a narrativa de romance com tom de fantasia épica mantendo a marca dos livros anteriores, não deixando de agradar a ninguém.

Todo o universo de The Witcher é tão completo quanto o de Game of Thrones, Senhor dos Anéis e Ciclo da Herança, com as raças clássicas: humanos, anões, gnomos e elfos, entre outras inúmeras raças de monstros. Vários personagens com as suas tramas desenvolvidas e amadurecidos muito bem desenvolvidos, fazendo deles amados por todos os fãs da saga. Possui inúmeras histórias e possibilidades, dando assim a série liberdade em escolher entre mostrar o cotidiano de um bruxo ou uma grande guerra entre raças, magos ou reinos, na qual o bruxo Geralt decidi tomar seu partido.

Diferente de Game of Thrones, apesar de toda a brutalidade, sangue e mitologia, The Witcher e principalmente Geralt, são conhecidos pelo seu humor. As vezes esdrúxulo e as vezes aliviante, mas muito bem construído tanto nos livros quanto nos jogos – algo que seria incrível de ver a série explorar. Por todos estes motivos, The Witcher conseguiria segurar muito bem, no mínimo, 5 temporadas. Vale a pena lembrar que a Netflix anunciou uma série de The Witcherainda sem data de estréia – liberando recentemente a sinopse: 

“O bruxo Geralt, um caçador de monstros mutante, está procurando um lugar no mundo em que as pessoas se mostram mais bizarras do que os próprios monstros”.

Temos também a boa noticia de que a produção está contando com Tomas Baginski, que dirigiu os vídeos introdutórios de todos os três jogos de The Witcher. Uma das coisas mais fenomenais de The Witcher, adaptado para os jogos, são justamente o visual projetado por Baginski. Apenas esses detalhes visuais já são suficiente para garantir o tom ideal para a saga nos jogos. É um alívio saber que o mesmo caminho poderá ser adotado pela série. Vislumbre abaixo essa obra prima no trailer terceiro game da saga:

O Último Desejo, Livro 1.

A Espada do Destino, Livro 2.

O Sangue dos Elfos, Livro 3.

Tempo do Desprezo, Livro 4.

Batismo de Fogo, Livro 5.

A Torre da Andorinha, Livro 6.

E ainda há dois para serem lançados, são eles A Senhora do Lago, Livro 7 e Tempo de Tempestade, Livro 8.

#3 As Brumas de Avalon

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

brumas-de-avalon

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Poster estendido da capa dos livros da saga de As Brumas de Avalon.

Essa saga de livros, composta na versão brasileira por quatro volumes e na americana por um único, finaliza O Ciclo de Avalon – composto por uma série de 12 livros de fantasia. Foi escrita por Marion Zimmer Bradley e a história conta cerca de 70 anos do período Arthuriano. Porém é contado pela perspectiva feminina das personagens de Avalon, o que de cara já trás um diferencial para o livro. Afinal estas personagens normalmente costumam ser negligenciadas ou apenas vistas como bruxas e ou personagens horrendas – como a própria Morgana, irmã de Arthur, em visões de muitos outros autores. Diferente da tendência literária, Marion decide contar uma história digna para estas personagens, desenvolvendo-as. São contadas histórias da mãe de Arthur, de sua tia, de sua irmã Morgana e de sua esposa infiel, a Rainha Cristã, Guinevere – apaixonada por Lancelot que, por sua vez, ama Arthur incondicionalmente – além de outras personagens femininas. No entanto, o fato da autora “dar voz” a essas personagens não significa que ela as santifique, pelo contrário, ela mostra cada um dos podres destas mulheres.

Em As Brumas de Avalon, temos como principal elemento Avalon – uma ilha mística que possui várias lenda a cerca de si. Nesta ilha somente habitam mulheres, as sacerdotisas, que cultuam a Deusa. Durante o desenvolvimento da história vemos como Avalon e sua religião são empurradas para fora do reinado de Arthur, pela Igreja Católica. Apesar de toda família de Arthur, sua mãe, irmã e tia serem importantes peças em Avalon e cultuarem a religião pagã, Arthur se casa com a Rainha Cristã, levando assim à decadência de Avalon e seu desaparecimento por entre as brumas – grande névoa que cercava a ilha.

A saga, assim como GoT faz, possui muitas intrigas e plots entre membros de uma mesma família tendo que encarar as implicações que um casamento fora dela pode e vai causar. Mas, ao contrário das outras duas sagas citadas acima, esta possui uma história com um enfase bem maior em como ela é completamente redonda, fechada, trazendo consequências e destino certos para cada uma das ações tomadas pelos personagem no decorrer de tudo. Um destaque vai para a manipulação existente entre esses personagens – estratégia que faz dos personagens de GoT tão amados e odiados ao mesmo tempo. Traz também um misticismo bem mais leve em comparação as citadas acima, mas ainda assim bem presente e crucial para todo o real acontecendo por trás – também uma outra estratégia clara em GoT.

Contar uma história não é sobre inventar algo novo e inédito, mas sim, contar de maneira nova e inédita. E é exatamente isso que As Brumas De Avalon faz com a era Arthuriana que todos conhecemos, sendo assim uma ótima aposta de série, conseguindo segurar, no mínimo, 3 temporadas tranquilamente. Como pudemos perceber, no seu jeito, a saga tem vários pontos em comum com GoT. Adotada e executada com as mesmas estratégias que a série da HBO, seria possível criar algo bem próximo ao sucesso que temos hoje. Se você ficou interessado, saiba mais sobre o livro em:

As Brumas de Avalon, versão americana.

Conclusões

Após estes argumentos e defesas, dou o meu veredito e voto de confiança a uma destas três sagas sobre a qual seria a série mais incrível e, possivelmente, a melhor substituta de GoT. Toda minha esperança é depositada em The Witcher. Não apenas por sua história, mas também pelo fato de, em relação a todas as outras, já ter sido anunciada pela Netflix – enquanto o destino das outras parecem bem incertos após seus filmes duvidosos. Quero acreditar que eles farão um ótimo trabalho, dando liberdade aos produtores na construção do roteiro para transformar essa série no que os fãs, tal como os que virão a se tornar fãs, merecem ver.

Como nada da sua produção foi anunciada ainda, ficamos no aguardo ansiosos por cada notícia que sair. Se eles forem espertos é bem provável que esperem a última temporada de Game of Thrones estrear, ou ainda peguem o vácuo de um ano que ela deixará, para lançarem The Witcher. Então até lá apenas criamos expectativas do que está por vir, mas a espera valer a pena é o que importa ao final. Mas e você, quais são suas expectativas? Acredita em alguma dessas sagas ou tem alguma outra ideia? Deixe nos comentários e vamos interagir!

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "O Super Nerd" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade.

Tali Beatriz

Tali Beatriz

Apaixonada por todas as formas de arte e entretenimento, amante da mente humana e sua capacidade criativa e cosplay da Mulher Maravilha.

PUBLICIDADE

comentários mais nerds do planeta

O Super Nerd disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade.

artigos relacionados

Send this to a friend