PUBLICIDADE
Opiniões

Representatividade em Hollywood

26 de setembro de 2017, POR

O Super Nerd » Opiniões » Representatividade em Hollywood

PUBLICIDADE

Com o grande estouro de Mulher-Maravilha com Petty Jenkins e Gal Gadot, o OSCAR de melhor filme para Moonlight em 2016 e até o sucesso de Corra! alguns começaram a pensar que a representatividade é algo que está prontamente sendo resolvido em Hollywood e não precisamos mais nos preocupar com este tópico da mesma forma que antes. No entanto, as coisas não são bem assim.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

poster-moonlight

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Poster de divulgação de Moonlight de 2016.

A ausência de representatividade em Hollywood é algo assustador e não só está presente em seus atores e personagens, mas também, nos principais papéis por trás das câmeras, entre eles: diretores, roteiristas, produtores, entre outros. Temos ressalvas obvias – como as citadas acima, no entanto isso não significa que tudo esteja resolvido. Na verdade, estes filme são somente isso: ressalvas, exceções de um padrão que não demonstra alteração visível e constante.

Para exemplificar essa falta, temos as pesquisas das instituições americanas Universidade do Sul da Califórnia e Creative Artists Agency (CAA): nos 100 maiores filmes de 2016, 70,8% dos personagens com falas eram brancos; 13,6% eram negros; 5,7% asiáticos; e 3,1% hispânicos. 72 dos 100 filmes não tiveram mulheres latinas e em 91 deles não houveram mulheres pertencentes a comunidade LGBT.

A porcentagem de mulheres em papéis com falas foi A MESMA nos anos de 2015 e 2016: 37,4%. Lembrando que em 2007 essa porcentagem era 29,9% – que grande melhora para quase 10 anos, vocês não acham?? NENHUM filme de 2016 apresentava sequer um personagem TRANSGÊNERO com falas e o único com um protagonista gay foi Moonlight.

Agora que vocês já se deram conta sobre os números assustadores da situação que nos encontramos, vamos para o estudo da CAA cujo o objetivo é analisar os filmes encontrando por aqueles que apresentam uma diversidade real de elenco. Apesar de representarem apenas 30% dos longas entre 2014 e 2016, constataram uma lucratividade consideravelmente maior do que o restante dos filmes – com ausência de representatividade. Os longas com diversidade chegaram a faturar em média 31 milhões de dólares em sua estréia, enquanto o restante chega a faturar menos da metade deste valor.

Desta forma, é evidente que a nossa carência de representatividade está em todos os âmbitos: étnica, tribal, gênero, orientação sexual, deficiência física, deficiência mental, social (crianças criadas pelos avós, tios, com pais ou mães LGBT), entre todos os outros tipos de diversidades. Entretanto, isso não é culpa nem dos profissionais, nem do público. Afinal, no mercado, os bons profissionais que apresentam algum tipo de diversidade é o que não faltam – como as exceções vem nos provando e, como pesquisado pela CAA, o público aprecia e é muito mais fiel à diversidade.

No entanto, reconheço que alguns, e talvez até a maioria de vocês, não entendam o que é não se sentir representado a um nível de perceber o quão doloroso são todos esses fatos. Para tentar transmitir essa sensação a vocês, vou contar um pouco sobre como é a minha experiência: fui loira até os 5 anos e foi depois dessa idade – quando meu cabelo ficou castanho – que me lembro de ter os primeiros pensamentos:

Quem eu sou nas brincadeiras? Eu não posso ser a Barbie, ela é loira… não quero ser a Barbie de qualquer jeito. A Liga da Justiça é bem mais legal. O Batman é o mais legal. Ele não tem poder igual eu… Mas ele é um homem né, eu não sou um homem… Mulher Maravilha é legal.

Poucos anos depois:

Por que eles sempre enchem a Hermione? Ela é tão mais legal que os dois juntos. Por que eles não a deixam em paz? Eu sou a Hermione. Mas ela é loira né… Eu posso ser… As outras não aparecem muito né… NÃO LIGO vou ser a Hermione SIM. MELHOR! Ela pode ser minha amiga e eu ser eu.

Até que o tempo passou e novamente:

Eu já vi vários filmes de comédia romântica com homem e mulher. Por que não consigo achar uma de duas mulheres? E de dois homens? Eu sei o que vou passar com um homem, mas e com uma mulher? E os outros filmes, por que nunca vejo uma mulher gay?

Atualmente, eu raramente vejo comédias românticas por não me sentir representada e sempre tenho a sensação da falta da comunidade LGBT em TODOS os outros filmes. O exemplo mais recente dos meus pensamentos foi:

Por que a Viuvá Negra é a melhor personagem, a mais foda, a mais legal e ela não tem quase nada de tempo de tela… AF que saco! Cadê o filme solo dela?? Não vai ter também né. E, como assim, ela virou “amança” Hulk… DA ONDE ELES TIRARAM ISSO? Só por que ela é uma mulher, ela virou o toque de “doçura” do Hulk?? AF que lixo…

Esses foram alguns dos exemplos de incômodos que senti durante anos, mas é claro que eles não são tão sérios quanto muitos outros, afinal participo somente de dois grandes movimentos, sendo eles: o LGBT e o feminismo. Porém, exatamente por este motivo, tenho propriedade para falar somente deles. Por conta de cada um de nós, geralmente, participarmos de poucos grupos de diversidade, quero incentivar vocês a enxergar pela perspectiva do outro e não ser tão egoísta, querendo sempre ver somente a si mesmo nos longas.

Algo sobre isso que é interessante comentar, diz respeito ao filme Homem-Aranha: De Volta ao Lar, 2017, sendo ele um ótimo exemplo de uma boa diversidade de elenco, o qual cada um dos personagens do “grupinho” de Peter tem características e etnias diferentes. É compreensível que cause, a princípio, algum tipo de estranhamento, mas é exatamente por isso que a representatividade deve ser mais presente, para que chegue o momento em que ela se torne comum.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

elenco-homem-aranha

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Elenco do grupo principal de Homem-Aranha: De Volta Ao Lar.

Momento da ressalva para a peça Harry Potter and the Cursed Child que escolheu uma atriz negra para interpretar a Hermione. Gostaria aqui de declarar os meus parabéns à atriz, Noma Dumezweni, que fez um trabalho incrível sendo aprovada tanto pela J.K. Rowling quanto pela Emma Watson. Também não há como deixar de parabenizar a produção, que além de escolher a atriz pelo seu potencial, também foram inclusivos e representativos desta forma.

© Material de divulgação passível de direitos autorais.

Elenco-peca-the-cursed-child

® Relate qualquer abuso de Uso Indevido de Imagem clicando aqui.

Elenco da peça Harry Potter and the Cursed Child.

Mas, então Tali… o que podemos fazer para que essas exceções se tornem algo extremamente comum em Hollywood?

É bem simples galera: sejam presentes! Quando saírem filmes com um elenco representativo, vá a estréia. Compareça em manifestações, físicas ou virtuais, do seu grupo ou tribo pertencente. Gere discussões sobre Hollywood e seus longas, pergunte como seus colegas se sentem. Façam barulho nas redes sociais quando um filme for feito estereotipando uma pessoa diferente. E, acima de tudo, tente ao máximo entender e se colocar no lugar do outro. Entenda que ele precisa de ser representado, que ele precisa se sentir incluído.

E, no final de tudo ao conquistar essa percepção fique feliz quando, ao invés do seu personagem favorito ir às telonas como um branco e filho biológico criado por uma família tradicional, ele vá com uma etnia diferente, seja adotado, seja gay, etc. Nada disso precisa alterar a personalidade do seu personagem, a essência dele ainda estará lá, tais mudanças simplesmente irão fazer com que outras pessoas o amem também.

Bem, agora que já falei sobre a minha experiência relacionada a representatividade de Hollywood, conta pra mim: Qual é a sua experiência? Você se sente representado? E, qual foi o filme que tocou seu coração quando criança e te fez querer ser aquele personagem?

A estrutura do site, bem como os textos, os gráficos, as imagens, as fotografias, os sons, os vídeos e as demais aplicações informáticas que os compõem são de propriedade do "O Super Nerd" e são protegidas pela legislação brasileira e internacional referente à propriedade intelectual. Qualquer representação, reprodução, adaptação ou exploração parcial ou total dos conteúdos, marcas e serviços propostos pelo site, por qualquer meio que seja, sem autorização prévia, expressa, disponibilizada e escrita do site, é vedada, podendo-se recorrer às medidas cíveis e penais cabíveis. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade.

Tali Beatriz

Tali Beatriz

Apaixonada por todas as formas de arte e entretenimento, amante da mente humana e sua capacidade criativa e cosplay da Mulher Maravilha.

PUBLICIDADE

comentários mais nerds do planeta

O Super Nerd disponibiliza este espaço para comentários e discussões dos temas apresentados no site, não se responsabilizando por opiniões, comentários e mensagens dos usuários sejam elas de qualquer natureza. Por favor respeite e siga nossas regras para participar. Compartilhe sua opinião de forma honesta, responsável e educada. Respeite a opinião dos demais. E, por favor, nos auxilie na moderação ao denunciar conteúdo ofensivo e que deveria ser removido por violar estas normas. Leia aqui os Termos de Uso e Responsabilidade.

PRÓXIMO ARTIGO

artigos relacionados

Send this to a friend